sexta-feira, 24 de junho de 2011

REFLEXÃO BÍBLICA


E,endireitando-se Jesus e não vendo niguém mais do que a mulher,disse-lhe:Mulher,onde estão aqueles teus acusadores?Niguém te condenou?
E ela disse:Niguém,Senhor.E disse-lhe Jesus:Nem eu também te condeno;vai-te e não peques mais.
(Jo 8.10,11).
Em todo tempo Jesus olha para a humanidade com um olhar de amor,misericórdia,benevolência e como se observa no texto não foi diferente do que aconteceu com esta mulher.
Estava ali para acusar a pecadora diversos pecadores como os escribas e fariseus que se achavam os mais "santos" entre todos e a trouxeram para ver o que Jesus lhes falaria,pois na lei de Moisés tais pessoas deveriam serem apedrejadas,e agora qual foi a decisão tomada por Jesus.
Se observa no Mestre muita calma e serenidade ao escrever no chão enquantos todos esperavam ansiosos por suas palavras,ao levantar vem a pergunta que colocou todos os pecadores numa situação desconfortavél,lhes mostrando suas fraquezas e seus erros "quem não tem pecado que atire a primeira pedra Jo 8.7".Diz a bíblia "se dissermos que não temos pecado,enganamo-nos a nós mesmos,e não há verdade em nós 1Jo 1.8"sendo assim todos os acusadores se foram sem sequer lembrarem mais da pecadora que eles fizeram questão de gritar para todos ouvirem;esta foi apanhada em pleno ato de adúlterio.Como podiam permanecer acusando-a se no"tribunal da conciência" eram todos cupados.
E não ficando niguém Jesus libera uma palavra de perdão dizendo:"Eu não te condeno;vai-te e não peques mais".
Quantas pessoas estão aprisionadas por não conhecerem o Cristo salvador do mundo que tem o poder de liberar o pedão seja qual for o erro cometido pelo homem.Diz a bíblia"Filhinhos,estas coisas vos escrevo para que não pequeis;e,se alguém pecar,temos um Advogado para com o Pai,Jesus Cristo,o Justo 1Jo 2.1"o amor de Deus para com nosco é muito Grande por isso não fique se acusando ou se flagelando,deixe tudo isso para tráz e não perca tempo lance-se nos braços de JESUS CRISTO e por certo ele te ajudará.

terça-feira, 21 de junho de 2011

Após diversas brigas e polêmicas, igreja-mãe da Assembléia de Deus e conveniadas se filiam a CGADB de José Wellington


A Convenção da igreja-Mãe das Assembleias de Deus no Brasil (CIMADB) firmou acordo com a Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil (CGADB) no dia 16 de junho de 2011. O documento credencia a CIMADB e seus membros.
Esse acordo sela a paz entre as duas convenções que estavam dividas por questões políticas.
Muito se falou sobre a divisão entre as AD, rumores que só aumentaram com a organização de duas festas em Belém do Pará para comemorar o Centenário. A CGADB realizou dois dias de evento uma semana antes do programado pela CIMADB.
Apesar disso o pastor Samuel Câmara compareceu na festa da CGADB e o pastor José Wellington Bezerra também esteve presente nos dias de festividade da CIMADB.

sábado, 18 de junho de 2011

A MINHA HOMENAGEM A UM GRANDE HOMEM DE DEUS MEU TIO PR PEDRO ALVES DOS SANTOS


Morre, aos 68 anos, o pastor Pedro Alves, de Taquarana-AL
Obreiro foi vítima de um infarto do miocárdio em sua residência
Morreu no começo da noite, 17 de junho, o pastor Pedro Alves dos Santos, dirigente da Assembleia de Deus em Taquarana, município situado a 111km da capital alagoana. Segundo o Pb. Agrimeron, seu sobrinho, o pastor, de 68 anos, foi vítima de um infarto do miocárdio em sua residência, conduzido ao hospital da cidade, mas não resistiu e faleceu a caminho.
Há 23 anos na direção da AD em Taquarana-AL, era conhecido por ser um grande evangelizador.A familia pede a oração de todos.

sexta-feira, 17 de junho de 2011

Perdão de pecados para mortos e vivos será?


O site Cristin Ortodox da Romênia cobra por mês o equivalente a R$ 54 para perdoar por intermédio de orações pecados de vivos e mortos. Há também opções de oração para obter saúde e bons resultados em exames escolares. As orações são transmitidas ao vivo em voz alta. O pagamento é feito com cartão de crédito e pelo PayPal.

Visite: Gospel +, Noticias Gospel, Videos Gospel, Musica Gospel
O serviço tem convênio com quatro igrejas ortodoxas, e o assinante terá de optar por uma delas. Site e igrejas dividem entre si o dinheiro arrecadado.

O Christian Post repercutiu a informação com Father iulian Anitei (sic), sacerdote do credo ortodoxo em Houston, Estados Unidos. Ele disse que o site não tem a aprovação da Igreja Ortodoxa da Romênia e questionou a seriedade dos líderes religiosos que se associaram à iniciativa da oração on-line por perdão de pecados.

“O que sei é que os líderes ortodoxos romenos não estão de acordo [com o site], porque são muitos tradicionais”, disse.

Contudo, Anitei confirmou ser comum as igrejas ortodoxas receberem dinheiro de fiéis que pedem orações para obter determinadas graças, mas a contribuição não é obrigatória.

O professor Craig J. Hazer, da Universidade Biola, uma instituição cristã que fica da Califórnia, disse que a cobrança por orações não está de acordo com os ensinamentos de Jesus e dos apóstolos.

Anitei afirmou que, diferentemente do que o site dá a entender, “não é que fiéis esperam de Deus perdão de seus pecados porque deram dinheiro, mas é uma maneira de expressar a sua profunda fé”.

quinta-feira, 16 de junho de 2011

Não perca hoje 16/06/2011 inicio das festividades de 100 anos da AD no Brasil


Começam nesta quinta-feira as programações especiais para comemorar os 100 anos da Assembleia de Deus no Brasil. Na cidade de Belém do Pará, onde tudo começou, haverá uma série de eventos.

A começar pela inauguração, que acontece no dia 16, do Museu Nacional da Assembleia de Deus, que contará com um rico acervo literário, peças sacras, fotografias, instrumentos de trabalho e objetos pessoais das personalidades que participaram da construção dessa memória. O prédio foi totalmente restaurado e a fachada é uma réplica da casa da irmã Celina Albuquerque, na Cidade Velha, onde aconteceram as primeiras reuniões dos fundadores da Igreja, Gunnar Vingren e Daniel Berg.

Ainda na quinta-feira acontecerá abertura oficial da Avenida do Centenário, trecho que liga a Avenida Júlio César à Avenida Augusto Montenegro. O nome da via foi mudado por uma homologação assinada em 17 de maio pelo prefeito de Belém, Duciomar Costa.

Também será inaugurado o Centenário Centro de Convenções, maior obra ligada aos 100 anos da Igreja, abre as portas às 10h, do mesmo dia 16. E à noite, às 19h, será realizada a primeira grande concentração no Estádio do Mangueirão, que terá shows e cultos especiais.

Na sexta-feira, 17, às 8h, o Centenário Centro de Convenções recebe o Impacto Pentecostal. O evento reforçará a onda de avivamento que se tornou a Igreja em todo o mundo. À noite, novamente, os fieis se reunirão no Estádio do Mangueirão, para louvar a Deus por meio dos cultos e das apresentações musicais.

No sábado, 18, a Carreata do Centenário reunirá mais de 200 mil pessoas, inclusive de outras religiões. A concentração será a partir das 8h, na Escadinha do Cais do Porto, ao lado da Estação das Docas, região portuária da capital paraense. Antes da saída dos veículos e trio elétrico, haverá uma encenação teatral que reproduzirá o desembarque dos fundadores da Assembleia de Deus, em Belém. No Mangueirão, a partir das 19h, será realizada a última noite de cultos e shows, com emoção especial já que é no dia 18 de junho que se completam os exatos 100 anos de fundação da Igreja.

Para o dia 19, está programado o Batismo do Centenário, na praia Grande, em Outeiro. São aguardadas cerca de cinco mil pessoas, a serem batizadas na Assembleia de Deus.

A Assembleia de Deus do Belém pretende reunir cerca de 500 mil pessoas durante essas programações, parte delas virá de municípios paraenses, de outros estados brasileiros e de vários países.

Em entrevista Lanna Holder fala sobre parada gay e assume sua homosexualidade


Pastoras lésbicas querem fazer 'evangelização' na Parada Gay de SP
Lanna Holder e Rosania Rocha dizem que movimento perdeu o propósito.
Organização diz que evento continua reivindicando direitos humanos.
Do G1 SP

imprimir

Para o casal de pastoras, a Parada Gay perdeu seu propósito inicial de lutar pelos direitos dos homossexuais (Foto: Clara Velasco/G1)Três semanas depois de inaugurar uma igreja inclusiva e voltada para acolher homossexuais no Centro de São Paulo, o casal de pastoras Lanna Holder e Rosania Rocha pretende participar da Parada Gay de São Paulo, em 26 de junho, para "evangelizar" os participantes. Estudantes de assuntos ligados à teologia e a questões sexuais, as mulheres encaram a Parada Gay como um movimento que deixou de lado o propósito de sua origem: o de lutar pelos direitos dos homossexuais.

“A história da Parada Gay é muito bonita, mas perdeu seu motivo original”, diz Lanna Holder. Para a pastora, há no movimento promiscuidade e uso excessivo de drogas. “A maior concepção dos homossexuais que estão fora da igreja é que, se Deus não me aceita, já estou no inferno e vou acabar com minha vida. Então ele cheira, se prostitui, se droga porque já se sente perdido. A gente quer mostrar o contrário, que eles têm algo maravilhoso para fazer da vida deles. Ser gay não é ser promíscuo.”

As duas pastoras vão se juntar a fiéis da igreja e a integrantes de outras instituições religiosas para conversar com os participantes da parada e falar sobre a união da religião e da homossexualidade. Mas Lanna diz que a evangelização só deve ocorrer no início do evento. “Durante [a parada] e no final, por causa das bebidas e drogas, as pessoas não têm condição de serem evangelizadas, então temos o intuito de evangelizar no início para que essas pessoas sejam alcançadas”, diz.

Leandro Rodrigues, de 24 anos, um dos organizadores da Parada Gay, diz que o evento “jamais perdeu o viés político ao longo dos anos”. “O fato de reunir 3 milhões de pessoas já é um ato político por si só. A parada nunca deixou de ser um ato de reivindicação pelos direitos humanos. As conquistas dos últimos anos mostram isso.”

Segundo ele, existem, de fato, alguns excessos. “Mas não é maioria que exagera nas drogas, bebidas. Isso quem faz é uma minoria, assim como acontece em outros grandes eventos. A parada é aberta, e a gente não coíbe nenhuma manifestação individual. Por isso, essas pastoras também não sofrerão nenhum tipo de reação contrária. A única coisa é que o discurso tem que ser respeitoso.”

Negação e aceitação da sexualidade
As duas mulheres, juntas há quase 9 anos, chegaram a participar de sessões de descarrego e de regressão por causa das inclinações sexuais de ambas. “Tudo que a igreja evangélica poderia fazer para mudar a minha orientação sexual foi feito”, afirma Lanna. “E nós tentamos mudar de verdade, mergulhamos na ideia”, diz Rosania. As duas eram casadas na época em que se envolveram pela primeira vez.


O casal passou por sessões de descarrego e
regressão por causa da orientação sexual (Foto:
Clara Velasco/G1)“Sempre que se fala em homossexualidade na religião, fala-se de inferno. Ou seja, você tem duas opções: ou deixa de ser gay ou deixa de ser gay, porque senão você vai para o inferno. E ninguém quer ir para lá”, diz Lanna.

A pastora afirma que assumir a homossexualidade foi uma descoberta gradual. “Conforme fomos passando por essas curas das quais não víamos resultado, das quais esperávamos e ansiávamos por um resultado, percebemos que isso não é opção, é definitivamente uma orientação. Está intrínseco em nós, faz parte da nossa natureza.”

Igreja Cidade de Refúgio
Segundo as duas mulheres, após a aceitação, surgiu a ideia de fundar uma igreja inclusiva, que aceita as pessoas com histórias semelhantes as delas. “Nosso objetivo é o de acolher aqueles que durante tanto tempo sofreram preconceito, foram excluídos e colocados à margem da sociedade, sejam homossexuais, transexuais, simpatizantes”, diz Lanna.

Assim, a Comunidade Cidade de Refúgio foi inaugurada no dia 3 de junho na Avenida São João, no Centro de São Paulo. Segundo as pastoras, em menos de 2 semanas o número aumentou de 20 fiéis para quase 50. Mas o casal ressalta que o local não é exclusivo para homossexuais. “Nós recebemos fiéis heterossexuais também, inclusive famílias”, diz Rosania.

Apesar do aumento de fiéis, as duas não deixaram de destacar as retaliações que têm recebido de outras igrejas através de e-mails, telefonemas e programas de rádio e televisão. “A gente não se espanta, pois desde quando eu e a pastora Rosania tivemos o nosso envolvimento inicial, em vez de essa estrutura chamada igreja nos ajudar, foi onde fomos mais apontadas e julgadas. Mas não estamos preocupadas, não. Viemos preparadas para isso”, afirma Lanna.